Round Trips

Round Trips: Capítulo 12 – Moscou Sem Fronteiras

Por: Henrique Benitez Lopes | 10/04/2020

2020 continuamos com excelentes conteúdos no liketour. Além, do já conhecido liketour cast, teremos novos conteúdos, com mais dicas e histórias de viagens para você.  Uma delas é a série de entrevistas no formato escrito, batizada de Round Trips*, onde conversamos com pessoas criadoras de sites, empresário e escritores de livros sobre turismo.

Anastásia Moiseeva é de Moscou, Rússia. Mora na capital russa desde criança. É guia turística, intérprete e tradutora e criadora da página do instagram Moscou sem Fronteiras, onde mostra a sua visão de Moscou, os locais de interesse menos conhecidos da cidade, incluindo o melhor da arte urbana, bares artesanais e as comidas de rua dessa incrível cidade.  

Anastásia Moiseeva

LT: Num post do seu instagram, Moscou Sem Fronteiras, você diz que começou a viajar para o exterior há apenas um ano.  Como está recuperando esse “tempo perdido” e quais países e cidades você já visitou?

Anastásia: Não diria que foi o tempo perdido. Eu não podia viajar para o estrangeiro, mas tinha toda a enorme Rússia para explorar. O nosso país é tão vasto e diversificado que, para ser honesto, poderíamos passar toda a nossa vida apenas a viajar à volta dele e obter cada vez novas experiências. Temos mares quentes e frios, oceanos, montanhas, praias, desertos, taiga, vulcões, e não sei o que mais! Há também uma grande diversidade de culturas e tradições. Os meus dois locais favoritos que tive a sorte de ver são o Lago Baikal na Sibéria e a Crimeia (península do Mar Negro). Dois lugares absolutamente contrastantes que me impressionaram e me roubaram o coração.

Mas, claro, viajar para o estrangeiro é algo completamente diferente. Acredito que conhecer uma cultura estrangeira é uma experiência que alarga a nossa mente como nada mais. Por isso, logo que pude, caí na estrada. Durante os últimos 8 meses visitei a Hungria (Budapeste), Bielorrússia (Minsk), Portugal (Lisboa e Porto), e Turquia (Istanbul). E antes da pandemia explodir, planeava ir para Itália e Espanha no Verão.

Lago Baikal

LT: A Rússia tem o maior território do mundo e você já explorou bem o país. Nos conte quais são as principais diferenças culturais dentro do país, e como os próprios russos lidam com isso?

Anastásia: É óbvio que um território tão grande não pode ser homogêneo em termos de etnias, culturas e tradições. Apesar do fato de muitos territórios terem sido colonizados há muito tempo, a vida das pessoas lá não mudou significativamente. Há muitas etnias únicas a viver em vários cantos remotos da Rússia, especialmente em direção a Leste, com as suas línguas e tradições únicas. Há mesmo teorias de que o povo Yakut (uma etnia do Extremo Oriente) está relacionado com os Maias! Parecem-se realmente com os índios e não de todo com eslavos.

Ainda assim, em geral, todos compreendem e falam russo – graças aos tempos soviéticos, em que todos tinham o ensino obrigatório gratuito.

Quanto a lidar com as diferenças… Eu diria que, em geral, as pessoas não viajam muito, ou muito longe. Por isso, não têm de enfrentar grandes diferenças culturais. Por outro lado, em Moscou temos por vezes confrontos culturais, principalmente com os representantes da região das montanhas do Cáucaso, ou seja, as repúblicas muçulmanas. Muita gente vem a Moscou porque é o único lugar onde se ganha dinheiro (como qualquer capital, suponho) e, por vezes, as pessoas deixam-se levar e comportam-se como se a sua cultura/tradição/religião fosse melhor do que a outra. É triste. A minha convicção, no entanto, é que não depende da etnicidade, mas sim da personalidade e da educação. A falta de educação gera inevitavelmente agressões e, muitas vezes, atitudes nacionalistas.

Patinação em Moscou no famoso inverno russo

LT: Você fala muitos idiomas, como inglês, português e espanhol, que são línguas bem diferentes da língua russa. Como começou seu interesse por aprender diferentes idiomas e como isso a levou a carreira de tradutora / intérprete?

Anastásia: Na Rússia, a língua estrangeira básica que todos estudamos desde a escola primária é o inglês. Acho que comecei a gostar dele na escola secundária, e vim naturalmente para mim. Tive também a sorte de ter uma boa professora. Foi ela que me aconselhou a continuar a estudar idiomas. Depois da escola inscrevi-me na faculdade de tradução de uma universidade em Moscou. Lá estudei inglês durante 5 anos e português (a variante europeia) durante 4 anos. Depois de me formar, fiz amizade com alguns músicos da Argentina, apaixonei-me pelo castelhano rio-platense e decidi aprender espanhol, o que foi muito fácil depois do português. Na verdade, assim que conheço alguém estrangeiro, quero aprender imediatamente a sua língua materna, porque isso abre profundidades absolutamente novas na comunicação. É pena que leve muito tempo (e muito esforço) para aprender profundamente uma língua estrangeira: não se trata apenas de gramática e vocabulário, mas também da cultura – história, geografia, tradições, literatura, filmes, histórias infantis, até de memes da internet! Na verdade, a aprendizagem de uma língua estrangeira é uma história interminável.

Quanto à minha carreira de tradutor/intérprete, pois, as duas formas óbvias de ganhar dinheiro para alguém especializado em idiomas são ensiná-los ou fazer tradução/interpretação. Eu não gosto de ensinar, e não fui treinada para isso, por isso a segunda opção era óbvia para mim. No entanto, ao longo dos 17 anos desde a licenciatura tentei muitas outras coisas, desde trabalhar num restaurante de cerveja (daí o meu amor pela cerveja artesanal) até arranjar uma exposição de arte internacional (uma experiência inesquecível). Não gostaria de me limitar a apenas uma ocupação, talvez queira experimentar algo novo algum tempo, e é maravilhoso que hoje, podemos tentar literalmente qualquer coisa. Uma coisa é certa: conhecer uma língua estrangeira amplia não só os seus horizontes, mas também as suas opções. E uma boa notícia: nunca é tarde demais para aprender uma!

Mural retrata o cantor David Bowie.

LT: Sua página no instagram, é bem recente, como teve a ideia de criá-la? Você pensa em expandir para outras plataforma como Youtube ou um site?

Anastásia: Este Inverno inscrevi-me num curso para guias turísticos, e enquanto estudava percebi que tinha de criar uma nova página para promover os meus serviços e contar sobre Moscou em português. A minha página onde publico coisas pessoais em russo simplesmente não funcionaria para isso. Foi assim que nasceu @moscou.sem.fronteiras.

Também tenho planos para criar um site pessoal, e obviamente quero desenvolver um canal no YouTube, hoje em dia é um must. O que me atrasa é a minha tendência para ser perfeccionista, quero que tudo seja perfeito, o que é difícil de alcançar quando se tem pouca experiência em alguma coisa (por exemplo, editar vídeos). Então, devagar, mas estou a chegar lá.

Mural artístico moderno contrata com a arquitetura antiga da cidade de Moscou

LT: Quando falamos da Rússia, estamos falando de um lugar de uma história e uma cultura riquíssima e (quase) milenar, considerando isso, qual o perfil do turista que visita a Rússia e a cidade Moscou e quais os principais interesses desses turistas?

Anastásia: Existem tipos diferentes de turistas, tal como existem diferentes tipos de guias. Algumas pessoas sabem exatamente o que querem ver em Moscou: alguns vêm pela arte, então visitam galerias de arte como a Galeria Tretyakov ou o Museu Pushkin ou o Hermitage, vão ao Teatro Bolshoi para ver o Lago dos Cisnes, visitam o maior número possível de igrejas para ver todos os afrescos; outros vêm pela história soviética, visitam o mausoléu de Lenine, o bunker de Stalin, o Museu do Espaço, o museu da Grande Guerra Patriótica, etc. E há turistas, ou melhor, viajantes, usualmente pessoas mais jovens, que vêm para explorar, para sentir a vibração da cidade, para descobrir sobre a vida quotidiana da população local.  E os da última categoria são o meu público-alvo.É assim que eu gosto de viajar, e essas são pessoas que gosto de conhecer fora ou dentro da Rússia.

Claro que há alguns locais que todos têm de ver quando estar em Moscou: a Praça Vermelha, o Kremlin, o metrô de Moscou, o parque VDNKH; mas para ter a verdadeira sensação da cidade vai precisar mais do que isso, e é aí que um guia local com visitas não convencionais vai ajudar! 

Assim, alguns escolhem museus de arte e óperas, outros – bares únicos e arte de rua, e cada um encontrará um guia que satisfaça as suas preferências.

Centro Panrusso de Exposições

LT: O você batizou sua página no Instagram de Moscou Sem Fronteiras, porque esse nome?? Quais as “fronteiras” que ainda existem na cidade em termos de liberdade e censura, e se ainda existem como ultrapassá-las?

Anastásia: Batizei a minha página assim em parte devido a sentimentos nostálgicos: na universidade utilizamos materiais áudio do curso intitulado Português Sem Fronteiras. E o nome ficou na minha cabeça desde então.

O que mais eu queria transmitir com este nome? Para muitos estrangeiros, a Rússia é um lugar misterioso e até assustador, sobretudo por causa da língua desconhecida e rara, e também porque o país esteve fechado durante muitos anos, então muitas pessoas consideram-no como um destino de viagem muito arriscado. Por isso, ao escrever um blog em português, quero remover a barreira linguística e quebrar este estereótipo de um lugar perigoso e pouco adaptado para viajar. Daí, Moscou Sem Fronteiras.

LT: A União Soviética caiu a quase 30 anos e foi um período que marcou época no em todo mundo. Quais os resquícios que ainda existem dela na cultura da atual Rússia e como esse período da História ajuda a indústria do turismo?

Anastásia: Pertenço a uma das últimas gerações que nasceram na União Soviética (tenho-a como o lugar do nascimento no meu passaporte!), e embora eu tivesse apenas 4 anos quando caiu, a cultura soviética constitui uma parte significativa da minha vida. Cresci a ouvir a música que os meus pais ouviam, e para além dos clássicos ocidentais como os Beatles, Pink Floyd, e até o João Gilberto, tínhamos muitas coisas boas das nossas. E as pessoas da minha idade ainda ouvem as bandas/músicos soviéticos/russos de há 40 anos atrás: Mashina Vremeni, Aquarium, Viktor Tsoi, etc., eles ainda são uma parte importante da nossa bagagem cultural. Todo o mundo ainda vê filmes feitos nos anos 50-70, e honestamente muitos deles são melhores do que a maioria das coisas modernas.

E do mesmo modo, há vestígios do tempo soviético em todo o lado: na arquitetura, na literatura, no sistema educativo, nos transportes públicos, etc.

É verdade que o legado soviético é o que atrai muitas turistas aqui. E há realmente muito para ver: o Metrô de Moscou – o Palácio Subterrâneo, todos os museus e exposições dedicados à Guerra Fria, e monumentos arquitetônicos.

Um dos meus lugares preferidos em Moscou é o Centro Panrusso de Exposições (VDNKH), a que chamo “a reserva da época soviética”. A sua arquitetura faz os visitantes retroceder no tempo para os anos 40-50. Não é um local turístico tão famoso como o Kremlin, mas todos os que lá estiveram confirmaram que é um local de visita obrigatória. A história do centro é verdadeiramente fascinante, e estou agora a trabalhar num novo tour guiado pelo local para o apresentar depois de terminada a quarentena. Estou realmente ansiosa por partilhar esta experiência com todos. 

Busto do fundador da URSS Lenine

LT: A Rússia organizou a última Copa do Mundo, e após esses grandes eventos sempre se fala em deixar um legado.  Quais os legados que a Copa 2018 deixou? O que mudou no país depois do mundial de futebol?

Anastásia: O Mundial foi uma experiência inesquecível para todos nós. Penso que não será exagero dizer que o país não viveu nada disso desde quando acolhemos os Jogos Olímpicos-80, e estes estavam localizados em Moscou, enquanto desta vez tivemos 11 cidades a receber os jogos.

Muitas coisas foram modernizadas para o evento, desde a construção de novos estádios até à renovação de antigos e à construção de novas estradas. Uma das melhores coisas que vai servir a indústria turística durante muito tempo é a tradução de toda a sinalização – metro, estradas, etc – para inglês e chinês. Finalmente, temos agora estações de metrô anunciadas tanto em russo como em inglês. Estou muito contente com isto, porque bem imagino como isto torna as coisas muito mais fáceis para os estrangeiros.

Mas o resultado mais importante que a Copa do Mundo trouxe é, na minha opinião, que agora todo o mundo aprendeu que a Rússia é segura para viajar, que os russos são amistosos, hospitaleiros, e amáveis e que não temos ursos nas ruas (lamento desapontar).

O fluxo turístico cresceu bastante depois do Mundial, e estamos agora mais do que nunca prontos para acolher toda a gente.

LT: Uma das suas paixões são as cervejas artesanais e sabemos que o forte da Rússia não é bem a cerveja, mas a Vodka. Comente um pouco como podemos descobrir o mundo das cervejas russas e também sobre as melhores vodkas do mundo. 

Anastásia: Haha, uma pergunta inevitável! Mas vou decepcioná-los: Eu não sei quase nada sobre vodka. A regra geral é bastante simples: quanto mais cara, melhor.

A crença geral de que todos aqui bebem vodka na verdade não reflete a realidade. A vodka é preferida ou entre as pessoas da geração mais velha, que estão habituadas a ela só porque não tinham alternativas no passado, ou entre os mais pobres, muitas vezes sem abrigo – porque pode ser muito barata (o que, obviamente, também significa má qualidade). Pessoas mais jovens com rendimentos normais preferem normalmente outras bebidas fortes: uísque, rum ou gin. Também são bastante populares  bebidas fortes caseiras à base de bagas ou ervas.

Quanto às cervejas, a situação é assim:  Temos algumas marcas que são produzidas em massa e não são muito sofisticadas. A única cerveja russa que é vendida internacionalmente é a Báltica. Aqui só é popular entre as pessoas com baixos rendimentos. A melhor cerveja produzida em massa na Rússia é Zhigulevskoye, fabricada em Samara (uma bela cidade no rio Volga, a sul de Moscou), numa das cervejarias mais antigas da Rússia (funciona desde o século XIX). Mas terá de lá ir para o experimentar. A mesma marca vendida em Moscou não vai ter o mesmo sabor.

Mas se preferir cerveja lager normal, pode experimentar quase tudo com um nome cirílico de qualquer loja, será bastante bom. 

As cervejarias artesanais oferecem uma maior variedade de gostos e melhor qualidade, mas em menor quantidade. A melhor maneira de provar as cervejas artesanais locais é ir a um pub especializado nelas: os funcionários de lá são normalmente muito entusiastas sobre o que oferecem, explicam-lhe tudo e oferecem-lhe também para provar tudo.

Alguns pubs até organizam atelier de preparação de cerveja: explicam-lhe como misturar os ingredientes básicos, pode adicionar os seus próprios ingredientes para torná-lo único – adicionar mais lúpulo, ou malte, ou frutas, etc. – e em algumas semanas, quando estiver pronto, convidam-no a provar o resultado!

Bar Artesanal: cerveja ou vodka?

LT: Conte para quais seus planos para a sua próxima viagem, seja pela Rússia ou para o exterior e qual lugar do mundo sonha conhecer, mas ainda não teve oportunidade. 

Anastásia: Ao longo dos anos de estudo de línguas estrangeiras e de não poder viajar para o estrangeiro, fiz muitos amigos em muitos países. E conheço muitos guias russos por toda a Europa que não são apenas colegas mas também bons amigos. Claro que os quero visitar a todos. Como já referi, estava a planear ir a Espanha para me encontrar com vários amigos em Madrid, Barcelona e Gijon. Estava também a pensar passar um mês em Lisboa, a estudar mais aprofundadamente a língua portuguesa. No próximo mês de Dezembro, espero ir ao Brasil para a Niterói BeatleWeek – também tenho muitos amigos lá, não só no Rio, mas também em Minas Gerais e Santa Catarina.

Também amo a cultura inglesa, e sempre quis ir para o Reino Unido. Não só para Londres, que é um mundo em si, mas também para o País de Gales, Escócia, Irlanda…

Como vêem, tenho uma agenda bem grande para toda uma vida!

Anastácia e muitas viagens nos planos

Instagram: @moscou.sem.fronteiras